Executive internet pharmacy in Sydney where you can buy propecia australia online. Para compra priligy puede ser visto como un desafío. Aumenta Smomenta, y todos los que se poco a poco abrumado, como es lógico, cada vez más hombres están diagnosticados con disfunción eréctil.

Rcvt.org.br

Histomorfometria do parênquima testicular.
HISTOMORFOMETRIA DO PARÊNQUIMA TESTICULAR
DE CÃES ADULTOS TRATADOS COM IVERMECTINA1
Cristiane Scavuzzi MOURA2*, Maria Madalena Pessoa GUERRA3 , Valdemiro Amaro de SILVA JÚNIOR4 , Carla Giovanna Cintra SILVA5 , Fernanda Mafra CAJU5 RESUMO: Avaliou-se, através da histomorfometria, o parênquima testicular, a pro-
dução espermática diária e a eficiência do processo espermatogênico em cães adul-
tos sem raça definida (SRD), submetidos a cinco administrações subcutâneas de
ivermectina, a intervalos semanais. Foram utilizados sete cães adultos, os quais
foram divididos em dois grupos: Controle (n=4) e Tratado (n=3). Os cães do grupo
Tratado receberam ivermectina, por via subcutânea, na dosagem de 600µg/kg de
peso corporal, enquanto os cães do grupo Controle receberam solução fisiológica a
0,9% de Cloreto de sódio. Os cães foram pesados semanalmente para acompa-
nhamento do peso corporal e cálculo da dose de ivermectina. No final do período
experimental, os cães foram pesados, anestesiados e castrados. Os testículos fo-
ram pesados e submetidos à análise através de histologia quantitativa e qualitativa.
O parênquima testicular e o processo espermatogênico dos cães não evidenciaram
efeito tóxico ou degenerativo resultante da aplicação de ivermectina, observados
através da manutenção da produção espermática diária, do rendimento intrínseco
da espermatogênese (PED/g/t), e da estrutura do parênquima testicular. Com base
nas avaliações morfométricas quantitativas do processo espermatogênico e na es-
trutura do parênquima testicular, é possível utilizar a administração de até 600µg de
ivermectina/kg de peso corporal em cães SRD no controle de helmintos sem com-
prometer o parênquima testicular e o processo espermatogênico desses cães.
Termos para indexação: Espermatogênese, células de Sertoli, células de Leydig,
HISTOMORPHOMETRY OF THE TESTICULAR PARENCHYMA
OF ADULT DOGS TREATEDS WITH IVERMECTIN
ABSTRACT: The aim of this research was to evaluate through histomorphometric
study, the testicular parenchyma, the daily spermatic production and the efficiency of
the spermatogenic process in undefined breed (NDB) adult dogs submitted to five
subcutaneous administrations of ivermectin, weekly. Seven adult dogs were divided
into two groups: Control (n=4) and Treated (n=3). The treated dogs received 600µg
of ivermectin/kg of body weight and control dogs received saline solution at 0.9% of
Sodium Chloride. The dogs were weighed weekly to in order to follow the body weight
and to calculate the dose of ivermectin. At the end of the experimental period, the
dogs were weighet, anesthetized and castrated. The testes were weighed and
submitted to analysis through the quantitative and qualitative histology. The testicular
parenchyma, the daily spermatic production and the efficiency of the spermatogenic
process of the dogs had no toxic or degenerative effects after the application of
Parte da Dissertação de Mestrado do primeiro autor junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Veterinária(PPGCV) da Universidade Federal Rural de Pernambuco.
Doutoranda do PPGCV (UFRPE). csmoura2000@yahoo.com.br *Autor para correspondência.
Méd. Veterinária. Dra Profa Adjunta - Departamento de Medicina Veterinária (DMV) – UFRPE. Rua Dom Manoel deMedeiros, s/n. Dois Irmãos. Recife-PE.
Méd. Veterinário. Dr. Prof. Adjunto- Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal (DMFA) – UFRPE.
Méd. Veterinária. Autônoma. Recife-PE.
Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 ivermectin. All of these were observed through the maintenance of the daily spermaticproduction, the intrinsic income of spermatogenesis (PED/g/t) and the testicularparenchyma structure. Based on the quantitative morphometric evaluations of thespermatogenic process and structure of the testis parenchyma, it is possible to useup to 600µg of ivermectin/kg of body weight in NDB dogs on the helminth controlwithout compromising the testicular parenchyma and the spermatogenic process ofthese dogs.
Index terms: Spermatogenesis, Sertoli cells, Leydig cells, epididymis.
INTRODUÇÃO
meiro acasalamento, a duração da gesta-ção e a mortalidade em ratos neonatos. Em contrapartida, observaram-se sinais de to- or de fertilidade e que apresentem altera- ção nos parâmetros clínico-seminais são perda de peso e mortalidade durante a lac- classificados como portadores de infertili- tação. Em machos, Daurio et al. (1987) re- dade adquirida que pode estar relacionada lataram que a ivermectina não causa inter- rupção ou alteração na espermatogênese de cães Beagles, apesar de não haver sido por hipertermia escrotal, infecções, toxinas, realizada análise morfométrica do parênqui- ma testicular para determinação da produ- (BUENO et al., 1999). As lesões histopato- lógicas de degeneração testicular geral- dar o efeito da administração subcutânea mente são inespecíficas, correspondendo a áreas focais de células germinativas mor- corporal, a intervalos semanais, tanto so- tas, reduzindo o potencial de produção es- bre parâmetros histomorfológicos do parên- quima testicular, avaliados através da sua histomorfometria, como sobre a produção tomyces avermectilis (GRAÇA et al., 1998), espermática diária e a eficiência do proces- so espermatogênico de cães SRD adultos.
helmínica, é comumente administrada emcães visando a prevenção da dirofilariose MATERIAL E MÉTODOS
ou o tratamento de demodicidose e esca-biose. Animais submetidos à administração tos (2 a 4 anos), pesando em média 10 kg, ataxia, midríase e letargia (GRAÇA et al., onde recebiam água e ração ad libitum.
200 a 600µg/kg de peso corporal do animal grupos: Controle (n=4) e Tratado (n=3). Os dos Unidos, o FDA aprova a administração cães do grupo Tratado receberam ivermec- tina (Ourofino, Brasil), por via subcutânea, kg de peso corporal, por via oral, como tra- tamento profilático da dirofilariose em cães.
nos dias 0, 7, 14, 21 e 28, enquanto os cães qüências do uso da ivermectina no siste- solução fisiológica a 0,9% de cloreto de sódio, através da mesma via de aplicação Lankas et al. (1989) não constataram efei- to tóxico dessa droga sobre a idade do pri- ivermectina nos cães do grupo Tratado. Os Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 Histomorfometria do parênquima testicular.
cães foram pesados no início do experimen- to, onde se constatou peso corporal médio estatisticamente iguais nos animais do gru- componente do testículo foi estabelecido po Controle e Tratado. A seguir, procedeu- de volume do testículo. A gravidade especí- panhamento do peso corporal e cálculo da fica do tecido testicular foi considerada como 1.0 para os cálculos morfométricos No final do período experimental, 7 dias subseqüentes. Para se obter o volume lí- após a última aplicação, os cães foram quido dos testículos, a cápsula e o medias- tino testicular foram extraídos do peso bru- testículos foram inicialmente pesados para to destes órgãos. O comprimento total dos determinação do peso testicular bruto. Pos- túbulos seminíferos (metros) foi obtido ao teriormente, procedeu-se retirada da túni- ca albugínea e do mediastino testicular, os subtração do peso da albugínea e do me- leptóteno e paquíteno, espermátides arre- diastino testicular do peso bruto do testícu- lo, determinou-se o peso líquido do testícu- Sertoli foram contados nos túbulos seminí- lo. A seguir, procedeu-se a fixação dos tes- tículos com solução de gluteraldeído (Vetec, estágio V do ciclo do epitélio seminífero Brasil) a 4%, em tampão fosfato de sódio A população celular obtida por secção mente para inclusão em glicol metacrilato transversal de cinco túbulos seminíferos no (Leica, USA). Cortes histológicos de 4mm estágio V foi corrigida pela espessura do de espessura e corados com azul de tolui- corte histológico e pelo diâmetro do núcleo dina/borato de sódio (1%) foram avaliados através da histologia quantitativa.
O diâmetro tubular e a altura do epitélio nucléolos das células de Sertoli foram utili- zados para obtenção dos números corrigi- dos desse tipo celular, por secção trans- (Zeiss, Germany) calibrada com um micrô- versal de túbulo seminífero, devido à forma metro padrão. Vinte perfis tubulares redon- irregular do núcleo desta célula. A partir des- tas contagens corrigidas foi obtida a razão uma média foi determinada para cada cão.
entre espermátides arredondadas e célu- A altura do epitélio seminífero foi obtida nos las de Sertoli (Índice de Célula de Sertoli = ICS), por secção transversal de túbulo se- para determinar o diâmetro tubular. Os da- minífero (FRANÇA e RUSSEL, 1998). A pro- dos volumétricos do parênquima testicular dução espermática diária (PED) por testí- foram obtidos através de contagem de pon- culo e por grama de testículo foi obtida de tos por alocação sistemática de uma gratí- acordo com Russell et al. (1990a) e Rocha cula integradora com 441 pontos de inter- secção, de maneira aleatória, sobre o pa-rênquima testicular, com aumento de 400X.
Nº Total de células de Sertoli por Testículo x ICS x Freqüência relativa do estádio V Onde: Freqüência relativa do estágio V (%) = 13,51 (RUSSEL et al., 1990a).
Duração do estágio V (dias) = 3,68.
Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 Os dados biométricos e histométricos foram expressos em média ± desvio padrão.
Todavia, a comparação entre as médias observadas nos dois grupos, para uma mesmacaracterística, não foi realizada em virtude do pequeno número de animais.
RESULTADOS
Os resultados referentes a peso corporal, testicular e epididimário de cães SRD tratados com ivermectina (600µg/kg de peso corporal) encontram-se descritos na Tabela1, nos quais não se observa alteração nos parâmetros estudados entre os grupos expe-rimentais.
TABELA 1 – Pesos corporal, testicular bruto, testicular líquido e epididimário (média ± desvio padrão), de cães SRD adultos, pertencentes aos grupos Controle eTratado com 600µg de ivermectina/kg de peso corporal Grupos Experimentais
Parâmetros
Controle
SRD = Sem raça definida; n = Número de animais; Peso Testicular bruto = Peso total dos testículos; Peso Testicular líquido= Peso testicular após a retirada da túnica albugínea e do mediastino.
Da mesma forma, as médias dos parâmetros volumétricos (mL) dos constituintes do parênquima testicular (Tabela 2) não apresentaram alteração nos animais tratadoscom ivermectina quando comparados aos do grupo Controle.
TABELA 2 – Parâmetros volumétricos (mL) do parênquima testicular (Média ± desvio padrão) de cães SRD adultos, pertencentes aos grupos Controle e Tratadocom 600µg de ivermectina/kg de peso corporal Grupos Experimentais
Parâmetros
Controle
SRD = Sem raça definida; n = Número de animais.
Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 Histomorfometria do parênquima testicular.
não houve variação no número corrigido de cional das células de Sertoli que está rela- células de Sertoli, na população de esper- matócito I em pré-leptóteno ou paquíteno e tentadas por uma dessas células, também conhecida por índice de célula de Sertoli transversal de túbulo seminífero no estágio TABELA 3 – População celular corrigida* (Média ± desvio padrão) por secção transversal de túbulo seminífero no estádio V do CES de cães SRD adultos, pertencentes aosgrupos Controle e Tratado com 600µg de ivermectina/kg de peso corporal Grupos Experimentais
Parâmetros
Controle
*Números corrigidos segundo a fórmula de Abercrombie (1946) modificada por Amann e Almquist (1962). CES = Ciclo doepitélio seminífero; SRD = Sem raça definida; n = número de animais; CS = Célula de Sertoli.
servou alteração entre os grupos experi- quima testicular (Tabela 4), como diâmetro mentais, evidenciando que a eficiência do tubular, altura de epitélio seminífero, com- primento total de túbulos seminíferos, po- sofreu alteração decorrente da aplicação de pulação de células de Sertoli e produção ivermectina na concentração de 600µg/kg espermática diária por testículo não se ob- de peso corporal de cães SRD adultos.
TABELA 4 – Parâmetros biométricos (Média ± desvio padrão) do parênquima testicular, produção espermática diária por testículo e por grama de testículo de cãesSRD adultos, pertencentes aos grupos Controle e Tratado com 600µg deivermectina/kg de peso corporal Grupos Experimentais
Parâmetros
Controle
SRD = Sem raça definida; n = Número de animais; CS = Célula de sertoli; TS = Túbulo Seminífero; SPDAr = EspermátideArredondada; ICS= Índice de Célula de Sertoli; PED = Produção espermática diária.
Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 Após avaliação qualitativa de diferen- se constatou alterações semelhantes a pro- tes áreas do parênquima testicular, através cessos degenerativos nos animais tratados da análise dos túbulos seminíferos em sec- ção transversal no estágio V do CES, não parados aos cães do grupo Controle.
Figura 1 - Secção transversal de túbulos seminíferos (TS) no estágio V do ciclo do epitélio seminífero de cães sem raça definida adultos, pertencentes aos grupos Controle
(a) e Tratado com 600µg de ivermectina/kg de peso corporal (b). Célula de Sertoli
(seta); Espermatócito I em paquíteno (seta larga); Espermátides arredondadas
(cabeça de seta). Aumento 400X.
Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 Histomorfometria do parênquima testicular.
DISCUSSÃO
manho do testículo (FRANÇA e RUSSELL,1998).
creta a severa; pode ser unilateral, quando grupos experimentais, caracterizando a ino- determinada por causas locais, ou bilate- ral, quando determinada por causas gerais ou sistêmicas. Macroscopicamente, os tes- de de este parâmetro possuir relação dire- ta com a atividade espermatogênica (FRAN- flácida, tamanho normal ou discretamente ÇA e RUSSELL, 1998). Além disso, os va- diminuído de volume e com coloração páli- lores encontrados para o diâmetro tubular da, características iniciais do processo de- e a altura do epitélio seminífero destes cães generativo. Em etapas avançadas, o órgão torna-se diminuído de volume, com consis- Paula (1992), cujos resultados variaram de tência firme à palpação e resistente ao cor- tro tubular observado nos cães deste ex- tem de perda de células germinativas pri- (1988). Todavia, é importante ressaltar que como células gigantes multinucleadas. Va- o material utilizado como meio de inclusão cúolos estão presentes em áreas onde as pode determinar variação nesses resulta- células germinativas necróticas foram libe- retração do tecido testicular pode reduzir o mulam-se nos túbulos seminíferos próxi- diâmetro linear do túbulo seminífero em até mos à rete testis, em túbulos com lesões degenerativas mais avançadas. Depósito de plástica determina retração de apenas 5% cálcio é observado nos túbulos seminífe- justificativa para as alterações de diâmetro que o processo degenerativo progride, ob- se utilizar resina plástica e naqueles relata- germinativas, das células de Sertoli e das dos por Woodall e Johnstone (1988) e Pau- la (1992), ao usarem parafina com meio de Devido à diversidade de raças, os cães peso corporal e testicular (FOOTE et al., tais como comprimento total de túbulos se- 1972), podendo variar de 9,0 a 13,0 g (OLAR miníferos, população de células de Sertoli por testículo e produção espermática diá- ria por testículo possuem correlação ele- peso corporal e testicular menores do que (FRANÇA et al., 2000). Neste trabalho, ape- aqueles do grupo Controle, ratificando os sar da inexistência de alteração nos parâ- metros citados anteriormente entre os gru- relatarem que o peso deste órgão está di- pos experimentais, notou-se tendência de maior peso testicular nos animais do grupo ral. Todavia, não foi identificada a causa específica para essa variação entre grupos, sobre as análises biométricas relacionadas que pode ser justificado pela semelhança na produção espermática entre os animais Controle e Tratados, uma vez que está al- diária por grama de testículo pode ser utili- tamente correlacionada com o peso e o ta- zada para afirmar que a ivermectina apli- Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 o primeiro trabalho a avaliar morfometrica- perimento não interferiu na eficiência do mente a estrutura do parênquima testicular cia de ser um dos parâmetros mais indica- mectina por kg de peso corporal, a interva- não estar associada ao peso testicular. To- los semanais. No entanto, a avaliação qua- davia, este parâmetro apresenta relação litativa do parênquima testicular também não revelou qualquer grau de degeneração togênese (FRANÇA e RUSSELL, 1998).
testicular nos animais tratados, comprova- O índice de célula de Sertoli (ICS), que do pela ausência de áreas focais apresen- corresponde à quantidade de células ger- Sertoli, é o melhor reflexo de sua eficiência SINHA-HIKIM et al., 1989). Apesar dos valo- e a análise morfométrica para determina- sido inferiores aos citados por Paula (1992), ção da produção espermática evidenciam não se observou influência da ivermectina que o parênquima testicular de cães sub- sobre a eficiência funcional destas células metidos ao tratamento com 600µg de iver- em cães pertencentes ao grupo Tratado.
mectina, avaliado em 6600 pontos por ani- mal, não apresenta sinais de degeneração Sertoli/g/testículo dos cães do grupo Con- testicular focal ou difusa. Estes resultados trole (46,5 x 106) apresentou valores seme- ratificam os relatos de Daurio et al. (1987), lhantes aos encontrados por Russel et al.
ao demonstrarem não haver diferenças his- tológicas nos testículos de cães Beagles células de Sertoli por grama de testículo.
tratados com oito aplicações de ivermecti- na (600µg/kg), por via oral, mensalmente, e os de Scott et al. (1995), ao evidenciarem Sertoli por grama de testículo do que nos animais do grupo Controle, não se deve atri- ivermectina por kg de peso corporal, por via buir este achado à utilização de ivermecti- oral, não apresentaram efeito adverso so- na, uma vez que não se observou qualquer bre a fertilidade ou o desempenho reprodu- alteração morfológica neste tipo celular.
Deve-se lembrar também que, segundoFrança e Russell (1998), este parâmetro CONSIDERAÇÕES FINAIS
apresenta grande variação numérica entreos animais domésticos, assim como entre estudos mostram as conseqüências de sua helmíntica não apresentaram efeitos cola- administração para o sistema genital mas- terais nos parâmetros reprodutivos quanti- tativos, tais como peso testicular e epididi- mário, diâmetro tubular, altura de epitélio espermatogênico e na estrutura do parên- seminífero, comprimento total de túbulo quima testicular, é possível utilizar a admi- seminífero, capacidade de suporte de cé- nistração de até 600µg de ivermectina/kg lula de Sertoli, produção espermática diá- ria por testículo e eficiência do processo le de helmintos sem comprometer o parên- acordo com a literatura consultada, este é Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 Histomorfometria do parênquima testicular.
AGRADECIMENTOS
disciplinary overview. Madri: Churchill Comu-
nications, 1998. p.198 – 219.
GRAÇA, M.; GONÇALVES, M.R.; DURÃO, S.F.
mento Científico e Tecnológico (CNPq) pela Avaliação do risco de utilização de Ivermec-
tina em cães, em particular nos Collies. Lis-
boa: [s.n.], 1998. Disponível em: <http://www.fmv.utl.pt/democ/stt/sem9/98/g029/ REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
g029.html>. Acesso em 15 jan. 2002.
populations from microtome sections. The
R.T. Effects of ivermectin on reproduction and Anatomical Record, New York, v. 94, p. 238-
neonatal toxicity in rats. Food and Chemical
Toxicology, Oxford, v. 27, p. 523-529, 1989.
AMANN, R.P.; ALMIQUIST, J.O. Reproductive McENTEE, K. Reproductive pathology of do-
capacity of dairy bulls. VIII. Direct and indirect mestic animals. 1ª Ed., San Diego: Academic
measurement of testicular sperm production.
Journal of Dairy Science, Champaign, v. 45,
p. 774-7841, 1962.
MUELLER, S.R.; BETTENAY, V.S. Ivermecti-
na: nuevo protocolo terapeutico.
1997. Dis-
ponível em: <http://www.seleccionesveterinarias.
Johnson, A.D.; Gomes, W.R.; Vandemark, N.L.
com/articulos/art8_2.htm. Acesso em 10 mar.
(Eds). The testis. New York: Academic Press,
NASCIMENTO, E.F. Alterações testiculares e
AMANN, R.P. A critical review of methods to eva- epididimárias em cães. Belo Horizonte. 1975.
Dissertação (Mestrado) - Escola de Veterinária characteristics. Journal of Andrology, philadel-
da Universidade Federal de Minas Gerais, 65p.
NASCIMENTO, E.F.; SANTOS, R.L. Patologia
BUENO, R.; COSTA, E.P.; GUIMARÃES, J.D.
da reprodução dos animais domésticos. 1a
et al. Infertilidade associada a espermiogênese ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.
imperfeita no cão – relato de um caso. Revista
Brasileira de Reprodução Animal, Belo Hori-
zonte, v. 23, n. 3, p. 460-461, 1999.
OLAR, T.T.; AMANN, R.P.; PICKETT, B.W.
Relationship among testicular size, daily produc- DAURIO, C.P.; GILMAN, M.R.; PULLIAM, J.D.
tion and output of spermatozoa and extragonadal et al. Reproductive evaluation of male Beagles spermatozoa reserves of the dog. Biology of
and the safety of ivermectin. American Journal
Reproduction, Champaign, v. 29, p. 1114-1120,
of Veterinary Research, Chicago, v. 48, n. 2, p.
PAULA, T. A. R. Estudo histológico quantitati-
FOOTE, R.H.; SWIERSTRA, E.E.; HUNT, W.L.
vo da atividade espermatogênica do cão em
Spermatogenesis in the dog. The Anatomical
diferentes faixas etárias após a puberdade.
Record, New York, v. 173, p. 341-352, 1972.
1992. 65 p. Dissertação (Mestrado em CiênciaAnimal) – Universidade Federal de Minas Gerais, FRANÇA, L.R.; SILVA JR., V.A.S.; CHIARINE- GARCIA, H. et al. Cell proliferation and hormonal
changes during postnatal development. Biology
ROCHA, D.C.M.; DEBELJUK, L.; FRANÇA, L.R.
of Reproduction, Champaign, v. 63, p. 1629-
Exposure to constant light during testis develop- ment increase daily sperm production in adult
Wistar rats. Tissue and Cell, Essex, v. 31, p.
FRANÇA, L.R.; RUSSEL, L.D. The testis of do- mestic mammals. In: MARTINEZ-GARCIA, F.;
REGADERA, J. Male Reproduction: a multi-
RUSSEL, L.D.; PETERSON, R.N. Determination Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006 of the elongate spermatid-Sertoli cell ratio in SCOTT, D.W.; MILLER, W.H.; GRIFFIN, C.E.
various mammals. Journal of Reproduction
Dermatologia de pequenos animais. 5a ed.,
and Fertility, Amsterdam, v. 70, p. 635-641, 1984.
Rio de Janeiro: Interlivros, 1996. 1130p.
RUSSEL, L.D.; ETTLIN, R.A.; SINHA HIKIN, A.
SINHA-HIKIM, A.P.; AMADOR, A.G.; KLEMCKE, P. et al. Histological and histopathological
H.G. et al. Correlative morphology and endocri- evaluation of the testis. Bolesta: Cache River
nology of Sertoli cells in hamster testis in active states and inactive states of spermatogenic.
Endocrinology, Baltimore , v. 125, p. 1829-1843,
RUSSEL, L.D.; REN, H.P.; SINHA-HIKIM, I. et al. A comparative study in twelve mammalianspecies of volume densities, volume, and nume- WOODALL, P.F.; JOHNSTONE, I. P. Dimensions rical densities of selected testis components, emphasizing those related to the Sertoli cell.
American Journal of Anatomy, Philadelphia,
familiaris). Journal of Reproduction and Fer-
tility, Amsterdam, v. 82, p. 603-609, 1988.
Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9, nos 2/3, p. 87 - 96 - maio/dezembro, 2006

Source: http://www.rcvt.org.br/volume9-2-3/comunicacao2.pdf

Docteur monique clouzeau

Docteur Monique CLOUZEAU B.P. 6 bis Antananarivo 101 Tel : 22 403 66 ou 0320710363 E-mail : j;clouzeau@simicro.mg BILAN SANITAIRE GLOBAL DE LA PRISON DE MAHAJANGA EN VUE D'AMELIORER LA QUALITE DE VIE EN DETENTION Mission et rapport effectués pour le Projet Santé de base GTZ de Mahajanga, par le Docteur Monique CLOUZEAU, novembre 1999. Je tiens à remercier - Monsieur le D

Microsoft word - firmagon_paciente_200905256

Firmagon  Laboratórios Ferring acetato de degarelix IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Firmagon® acetato de degarelix APRESENTAÇÕES Firmagon® 120 mg Solução injetável de 120 mg de acetato de degarelix disponível em embalagens com 2 frascosampola de pó liofilizado, 2 frascosampola de diluente de 6 ml, 2 seringas de 5 ml com uma linha de marcação em 3,0 ml, 4 adaptadore

Copyright © 2010-2014 PDF pharmacy articles